São fortes as expectativas de recuperação do setor imobiliário
Voltar para o blog

São fortes as expectativas de recuperação do setor imobiliário

   O setor imobiliário, em especial o segmento residencial, costuma ser um dos últimos a sair de uma recessão. Isso se deve em grande parte à natureza de seu produto, um investimento fixo de valor relativamente elevado, que muito depende da recuperação do emprego. Outros determinantes da restauração do ritmo de crescimento do setor são a confiança, taxa de juros mais baixas e especialmente a oferta de crédito.

   Pois bem, todos esses determinantes começaram a entrar em cena. A queda maior do que a esperada na inflação criou as condições para um vigoroso ciclo de política monetária, o qual, associado à restauração da credibilidade do Banco Central, permitiu que a taxa Selic caísse de 14,25% em 2016 para 7,5% neste momento. Tudo indica que o ano terminará em 7% e provavelmente em 6,75% a partir de fevereiro de 2018. A oferta de crédito dá os primeiros sinais de revigoramento.

   A queda nos distratos é outro fator que estimula a retomada. Por tudo isso, as vendas de imóveis começam a esboçar uma melhora. Os novos lançamentos e as vendas de imóveis novos voltaram a acontecer em ritmo mais animador. No acumulado do ano até junho, os lançamentos cresceram 8,7%, em comparação com o mesmo período de 2016.

Ainda não é a recuperação dos sonhos do setor, pois ainda será preciso absorver os estoques acumulados durante a crise. No segmento residencial, dados de junho indicam que eram necessários 18,6 meses para zerar os estoques (19,1 meses em 2016). A média histórica é de 11,8 meses. A tendência é de continuada melhora desse indicador.

   No segmento comercial, a recuperação tende a ser mais lenta. Tem sido maior a demora em reagir à queda da taxa de juros, ao contrário do que havia acontecido em outros momentos de recessão. A causa parece ser o nível de estoques a absorver, que está acima de experiências passadas.

Isso porque o setor viveu um boom muito acentuado em 2011 e 2012. Era a época da falta de mão de obra qualificada compatível com o ritmo das construções. No segmento hoteleiro, o boom foi estimulado pela demanda esperada com os megaeventos esportivos que o Brasil patrocinou, a Copa do Mundo (2014) e as Olimpíadas (2016). No caso dos shopping centers, a grande ampliação em anos recentes explica, ao lado da recessão, a elevada taxa de vacância de lojas.

   Em resumo, os sinais de que o setor se ajustou e começa a recuperar-se são cada vez mais evidentes. A continuidade da recuperação do emprego e da renda, associados aos efeitos defasados da queda da taxa de juros, dará ao mercado imobiliário a capacidade de contribuir para viabilizar um crescimento de 2,8% na economia em 2018.

Fonte: Revista Veja

Outros posts

  1. 10 Dicas para comprar um imóvel na planta.

    10 Dicas para comprar um imóvel na planta.

    Saiba como se precaver ao fechar esse tipo de negócio que, apesar de vantajoso, embute alguns riscos, como atraso na entrega e falta de qualidade na construção Apesar da acomodação dos preços...

  2. CAIXA libera mais R$ 4 bilhões em crédito imobiliário para trabalhador com conta no FGTS

    CAIXA libera mais R$ 4 bilhões em crédito imobiliário para trabalhador com conta no FGTS

    CAIXA libera mais R$ 4 bilhões em crédito imobiliário para trabalhador com conta no FGTS Vice-presidente de Habitação da CAIXA, Teotonio Rezende, explica as condições para o...

  3. NOVA LINHA DO MINHA CASA MINHA VIDA

    NOVA LINHA DO MINHA CASA MINHA VIDA

    Governo cria faixa intermediária e sobe juros do Minha Casa, Minha Vida  Nova faixa é para renda entre R$ 1,8 mil e R$ 2,35 mil, com 5% de juros.Renda máxima para aderir ao programa ampliou...

Vendas

Vendas
55 98444-0198
Vendas
55 3307-6410

Locação

Plantão
55 98434-9390
Fixo
55 3307-6410

Condomínios

Condomínios
55 99925-6410
Fixo
55 3307-6410

Vendas

Vendas
55 98444-0198

Locação

Plantão
55 98434-9390

Condomínios

Condomínios
55 99925-6410
|